#culturagerafuturo

Galo da Madrugada gera 35 mil empregos

por admin | 24 de Janeiro de 2018 | Cases

Tradicional grupo carnavalesco de Recife é exemplo de como atividades culturais e uso da Lei Rouanet têm impacto positivo na economia brasileira

O Clube de Máscaras Galo da Madrugada, tradicional bloco de rua do carnaval de Recife (PE), é um exemplo de como o investimento em atividades artísticas movimenta a economia. Em cada edição, o bloco, que reúne cerca de 2 milhões de foliões pelas ruas da capital pernambucana, gera, em média, 35 mil empregos diretos e indiretos, entre costureiras, figurinistas, vendedores, taxistas, técnicos de montagem de palco e camarotes e funcionários de bares, restaurantes e hotéis, entre outros.

O Galo da Madrugada também é campeão entre os blocos de rua em captação de recursos de incentivo fiscal por meio da Lei Rouanet. O bloco pernambucano conseguiu captar, em 10 anos, R$ 5 milhões. Só para o carnaval de 2017, foram investidos R$ 100 mil em recursos obtidos com auxílio da Lei de Incentivo à Cultura. Os números são de pesquisa realizada pelo Ministério da Cultura nos estados onde o carnaval tem maior dimensão: Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia.O bloco surgiu da união de um grupo de amigos e famílias do bairro recifense de São José, comandados pelo baluarte Enéas Freire, em janeiro de 1978. Sem grandes pretensões, aquele que viria a se tornar um fenômeno mundial foi criado com um único e simples propósito: fazer renascer o tradicional, espontâneo e criativo carnaval de rua do Recife, então ameaçado pelos clubes e passarelas, que, cada vez mais, limitavam – em espaço e participantes – o fazer da folia.Da união do grupo nasceu um gigante.

Neste ano, o Galo irá desfilar em 10 de fevereiro. Blocos ligados ao Galo também terão apresentações em 11, 12 e 13 de fevereiro. A cada ano, participam diretamente 30 trios elétricos, seis carros alegóricos, cerca de mil artistas, entre cantores, músicos e bailarinos, 200 diretores e 2,2 mil pessoas de apoio, entre outros.As comunidades vizinhas à sede do bloco (Coque, Coelhos, Joana Bezerra) recebem atenção especial. Além de trabalhos sociais realizados no decorrer do ano, no Forrozão do Galo, evento realizado durante os festejos juninos, a diretoria do bloco disponibiliza 25 barracas para ajudar os moradores das áreas circunvizinhas a gerarem renda extra com a venda de bebidas e comidas na festa.

O carnaval, um dos maiores espetáculos do planeta, é a atividade artística que mais movimenta a economia da cultura no Brasil. Em todo o Brasil, as atividades turísticas ligadas à festa movimentaram, em 2017, cerca de R$ 5,8 bilhões, segundo pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Só em Recife, foram investidos R$ 27 milhões no carnaval, sendo R$ 7 milhões captados junto à iniciativa privada.